Ser mulher

Quanto maior o salário, menor a chance de uma mulher ser contratada

FONTE: VEJA

Quando a remuneração ultrapassa dez salários mínimos, a quantidade de homens contratados a mais que a de mulheres dá um salto

Para cada 1.000 mulheres contratadas em 2018, no Brasil, com remuneração maior do que vinte salários mínimos, foram empregados 3.120 homens – uma diferença de 212%. Na faixa de ordenados até dois salários mínimos, no entanto, o número cai para 1.510 homens contratados para cada 1.000 mulheres (51% a mais).

Segundo os dados de geração de emprego divulgados na última sexta-feira pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, é possível chegar à conclusão que, quanto mais alto o salário, maior a chance de um homem ser contratado para o cargo.

VEJA cruzou os dados de gênero e nível salarial das contratações realizadas entre janeiro e agosto de 2018. Quanto maior a remuneração, maior a quantidade de homens contratados em detrimento à de mulheres.

Entre dois e cinco salários mínimos, o número de homens admitidos em relação ao de mulheres é de 109%. A diferença diminui nas faixas salariais de cinco a sete salários mínimos e de sete a dez salários mínimos: 66% e 86%, respectivamente.

A partir dos cargos com dez a vinte mínimos ou mais de remuneração, a diferença na quantidade de homens contratados e na de mulheres aumenta para 124%. Ou seja, para cada 1.000 mulheres empregadas com essa faixa salarial, outros 2.240 homens foram admitidos.

 

Cadastre-se em nosso informativo
  1. Nome
    Please let us know your name.
  2. Email
    Please let us know your email address.
  3. Captcha(*)
    Captcha
    Invalid Input