Preconceito

Opinião: Ignorância e preconceito ainda bloqueiam luta contra a aids

FONTE: TERRA 

Combate à doença mostra avanços enormes, mas em algumas regiões, ainda esbarra em combinação fatal de ignorância, religião, tabus, discriminação e irresponsabilidade política, afirma a jornalista Astrid Prange.A mensagem da Conferência Internacional de Aids, em Amsterdã, é clara: a luta contra a síndrome da imunodeficiência adquirida é uma questão de vontade política. Quem impede o esclarecimento e a prevenção; quem defende valores familiares, mas entrega à própria sorte esposas e crianças infectadas; quem marginaliza dependentes de drogas; quem transforma homossexuais em bodes expiatórios, bloqueia os avanços na luta contra o HIV e a aids e se torna culpado.

E os avanços nessa luta são enormes. Eles mostram que é possível levar uma vida digna com a doença. Eles mostram que a expansão da epidemia desacelerou por meio da combinação de esclarecimento, avanços da medicina, solidariedade global e política sanitária responsável. Eles mostram que o medo da morte diminuiu, e que a aids é, cada vez mais, uma doença crônica, e isso vale também para os países pobres.

A luta contra a aids é, portanto, uma enorme história de sucesso. Em números: em 2017, 22 milhões dos 37 milhões de soropositivos em todo o mundo foram tratados com medicamentos contra a aids. Destes, 4 milhões vivem na África do Sul, país com o maior número de programas estatais de combate ao HIV. O número de mortos por aids caiu para menos de 1 milhão em 2017, pela primeira vez neste século.

Os resultados positivos são claros sobretudo em Botswana, o país com a segunda maior disseminação de HIV (17% da população). No período de 2010 a 2017, o percentual de portadores de aids que recebeu medicamentos antirretrovirais passou de 50% para 84%. Em consequência, o número anual de mortos caiu de 18 mil, em 2003, para 4 mil em 2017.

Diante desse balanço positivo, chama a atenção a evolução na Europa Oriental e na Ásia Central. Nessas regiões, uma combinação fatal de ignorância, convicções religiosas, tradição, tabus, discriminação e irresponsabilidade política ameaça destruir os progressos já alcançados.

A situação é especialmente drástica na Rússia, onde, segundo a Unaids, há cerca de 1 milhão soropositios. O número anual de novas infecções passou de 50 mil em 2004, para 100 mil em 2017. Apenas 360 mil afetados têm acesso a tratamento.

Essa espiral negativa na Rússia se alimenta, entre outros fatores, do desprezo por padrões internacionais de como lidar com o HIV e a aids, conquistados a duras penas. Lá, onde líderes religiosos tacham a aids de "castigo divino" e políticos nacionalistas fingem "proteger as famílias", mulheres morrem após terem sido infectadas por seus maridos, e crianças vêm ao mundo com o vírus potencialmente mortal, mesmo sendo possível evitar a transmissão.

Onde a vida humana vale pouco, o tratamento de portadores de aids não é prioridade. Por que investir no sistema público de saúde se a aids continua sendo vista como "peste dos homossexuais" (expressão usada pela revista alemã Der Spiegel numa matéria de capa em 1983)? Por que organizar esclarecimento em escolas e coletar doações se a culpa, supostamente, é dos próprios doentes?

Quando o assunto é aids, é chegada a hora da verdade. A maneira de lidar com a epidemia revela não apenas o grau de competência e humanidade dos responsáveis políticos e religiosos: ela revela a face humana - ou desumana - de toda uma sociedade.

 

Cadastre-se em nosso informativo
  1. Nome
    Please let us know your name.
  2. Email
    Please let us know your email address.
  3. Captcha(*)
    Captcha
    Invalid Input