Boas ações

Após ir à Bienal do Livro, menina de 12 anos cria biblioteca comunitária no RJ

FONTE: RPA 

“Eu fui à Bienal do Livro e vi muitas crianças sentadas que pegavam livros para ler, mas depois precisavam devolver, às vezes antes mesmo de terminar, porque não tinham dinheiro pra comprar. Voltei pensando nisso e aí me veio a vontade de montar uma biblioteca. Lá as crianças vão ter a chance de ler e até levar o livro pra casa”, conta a pequena Lua, como gosta de ser chamada.

Raíssa Luara de Oliveira – ou simplesmente Lua –, 12 anos, mora na comunidade do Tabajaras, na Zona Sul do Rio. Ao tomar a decisão de montar uma biblioteca, nem imaginava a proporção que esta história ganharia: com o apoio de doadores e voluntários, ela está erguendo um verdadeiro centro cultural na comunidade, que já tem até nome, o Mundo da Lua. Lá as crianças, além de ler, vão poder brincar, assistir a filmes e apresentações de contação de histórias, fazer aulas de dança e de reforço escolar.

Quer saber como tudo aconteceu e tão rápido? Então venha ler esta história…

Espaço para biblioteca

Naquele dia, ao voltar da Bienal do Livro, Lua pegou o celular da mãe escondido e enviou uma mensagem para Vânia, que coordena a Associação de Moradores. Perguntou se ela cederia um espaço para montar uma biblioteca.

“A Vânia, minha amiga, pensou que eu é que estava escrevendo a mensagem. Ela respondeu que se eu cuidasse do espaço, ela cederia uma pequena área lá na associação”, diz Fátima Regina, 58 anos, a mãe de Lua.

Só então Lua contou sua ideia para a mãe: “Ela me perguntou se eu a ajudaria a montar uma biblioteca porque ela gostaria muito de dividir os livros dela com as crianças. Eu topei, mas questionei onde a gente faria isso porque minha casa é pequena”, lembra Fátima. E a menina veio com a resposta: “Espaço eu já tenho. Conversei com a Vânia e ela disse que pode ser lá na associação.”

Vídeo viraliza

O próximo passo foi gravar um vídeo pedindo doações de livros e materiais como folhas, canetinhas, lápis de cor.

Lua postou o vídeo nas redes sociais e, rapidamente, ele viralizou na internet. O resultado foi uma avalanche de doações vindas de Copacabana, de outros bairros do Rio e até da Alemanha.

“Uma senhora me ligou para doar livros e disse que a Lua é o que ela queria ser quando criança: alguém que faz a diferença. E estou ouvindo isso de muita gente. Todos estão preocupados com os rumos da humanidade: o desamor, a violência… Aí, quando se deparam com uma coisa bonita desta vindo de uma criança, as pessoas começam a acreditar e a ter esperança, sabe? Acho que foi isso”, diz Fátima.

A vida das duas nos últimos dias, já agitada pela quantidade de atividades das quais Lua participa – aulas de circo, teatro, dança… –, passou a ser arrastar carrinhos cheios de livros por Copacabana. Ah, e também parar, entre uma doação e outra, para dar abraços e beijos. Lua já vem sendo reconhecida nas ruas do bairro como “a menina que está construindo a biblioteca”.

O espaço lá na associação de moradores também está sendo preparado. Só que a área cedida inicialmente, embaixo de uma escada, ficou pequena demais diante do sucesso do projeto. Vânia decidiu liberar para Lua o segundo andar da associação de moradores, um salão inteiro, enorme!

Protegidos da violência

“Embaixo da escada vão ficar só as crianças de 2 a 5 anos. É um lugar mais seguro. Temos que pensar nos tiroteios, a comunidade anda muito violenta. Ali os menores ficam mais protegidos. As crianças maiores podem ficar na parte de cima porque já sabem correr e se esconder”, diz Fátima.

A ideia de Fátima, que mergulhou de cabeça no sonho de Lua, sua ‘filha-neta’, que está com ela desde os dois dias de vida, é cuidar de outras crianças da comunidade com o mesmo carinho. “Quero que a biblioteca seja um espaço com várias atividades onde as crianças possam passar o dia se divertindo em vez de ficarem soltas pelas escadarias da comunidade ou sozinhas em casa”, diz Fátima.

E é assim, conjugando o sonho da filha com o da mãe, que a biblioteca vai ganhando ares de centro cultural. “Vou ver se consigo uma televisão e um DVD para passar filmes. Também quero que elas possam fazer aqui aulas de reforço e oficinas de dança. A Lua vai contar histórias sempre às sextas-feiras à tarde. E vou ver se arrumo um recreador para o período das férias escolares”, planeja Fátima.

Inauguração

A inauguração está marcada: 18 de outubro. Ainda falta pintar o espaço, o que planejam fazer em um mutirão reunindo pais e crianças da comunidade. A área dos pequeninos será decorada com tecidos coloridos na parede, tapetões e almofadas no chão e caixotes cheios de livros ao alcance de todos.

“Se você puder avisar na matéria que nós estamos procurando voluntários vai ser uma ajuda enorme. Voluntários para trabalhar na biblioteca e também para dar aulas de dança, de desenho, de reforço”, diz a menina. Recado dado, Lua! Alguém aí se candidata a participar deste projeto lindo?