Fonte: G1 - Imagem: Reprodução da matéria 

‘Projeto Ímpar’ foi criado em 2016 e faz doações de apenas um dos pés de pares de calçados a pessoas que tiveram que amputar um dos pés ou nasceram com deficiência.

Indústrias do setor calçadista de Birigui (SP), conhecida como a capital nacional do calçado infantil, se uniram em uma iniciativa solidária que faz doações de calçados a pessoas que tiveram que amputar um dos pés ou nasceram com deficiência.

O ‘Projeto Ímpar’ foi criado em 2016 pelo Sindicato das Indústrias do Calçado e Vestuário de Birigui (Sinbi) e recebe doações de fábricas e lojas de todo o país. Em seguida, os sapatos são destinados a pessoas com deficiência que fazem a solicitação ao projeto.

O Mateus, de dois anos, mora em Americana (SP) e nasceu sem uma das pernas. A mãe dele contou à TV TEM que tinha dificuldades no momento de comprar calçados para o filho.

“O Mateus estava cada vez crescendo mais rápido, perdendo calçados, e toda vez que eu comprava um par, um dos sapatos ficava sem uso e o outro, mais gasto. Isso impossibilitava de doar para outras pessoas”, conta Ana Carolina de Almeida Pistoni.

“Eu entrei na internet para procurar uma loja que pudesse comprar somente o pé que ele iria utilizar e achei o ‘Projeto Ímpar’, que faz a doação desses calçados. Eu fiz a solicitação e soube que eles também faziam entrega, tudo de graça”, completa.

O diretor financeiro de uma fábrica de calçados esportivos de Birigui, Claudio Antonio Valin, explicou a origem dos calçados para doação.

“A maior parte desses calçados é mostruário. Às vezes a gente faz o par para mandar para os representantes, mas nem todos usam o par, aí fica um pé aqui. Às vezes a gente vai mandar também para um cliente fora do Brasil e manda só um pé. Alguns casos a gente faz teste de materiais em um pé para ver se o material é bom e o outro pé ainda está aqui”, explica.

“Isso realmente faz parte do processo da empresa de evolução do produto, de qualidade, e realmente não teria destinação se não fosse para essa doação”, destaca o diretor.

Jarlysa Correia de Lima, moradora do Ceará, também fez solicitações ao projeto. Ela conta que sofria constrangimentos no momento de comprar sapatos.

“Eu tinha dificuldades na compra de calçados porque não tinha como comprar só um pé. Era até constrangedor para mim. As pessoas ficavam perguntando para mim o que eu fazia com o outro. Um desperdício, até eu conhecer o projeto. Depois que conheci, fiz alguns pedidos e chagaram vários calçados na minha casa, sem custo algum, vários modelos. Fiquei muito feliz.”

Outra pessoa que sentia essa dificuldade é Josias Pimentel da Cruz, morador do Rio de Janeiro. Ele teve um dos pés amputados depois de uma acidente de moto.

“Esse projeto me ajudou muito. Eu fiz o pedido e após uma semana chegaram três calçados. O projeto me beneficiou, fui agraciado com calçados novos. Passado um tempo, eu pedi mais. Hoje eu tenho uns 15 calçados, entre sandálias, sapatos e tênis. Isso me ajuda muito”, conta.

O site do projeto possui atualmente mais de 500 pessoas cadastradas. Entre botas, tênis, chinelos e sandálias, já foram mais de duas mil doações.

“A gente pode ajudar inúmeras pessoas e pessoas que não têm condições financeiras de levar o par do calçado sendo que ela vai usar apenas um pé. Realmente hoje não existe possibilidade de ela comprar só um pé, então tendo disponibilidade para ela solicitar e ainda conseguir gratuitamente é muito gratificante”, destaca a coordenadora do projeto Fernanda Cechin.

Doações e aquisições
As doações e aquisições dos calçados são ser feitas por meio do site do ‘Projeto Ímpar’. Qualquer pessoa que seja deficiente física e tenha apenas um dos pés pode pedir a doação. Basta acessar o tópico “adquirir” no site e escolher o calçado.